Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

República do Caústico

A beleza das mulheres viperinas

01.03.11, João Maria Condeixa

 

 

A mulher foi feita para o corte e costura - não, femininistas deste mundo, não falo de lides domésticas, por isso escusam de me vir acusar de machismo -. Falo da língua viperina que gostam de desenrolar sobre os outros, sobretudo em grandes eventos, como foram anteontem os óscares. É uma questão de consultar facebooks, twitters e blogs - este aqui e este e este talvez sirvam de amostra - para percebermos que as mulheres do mundo estavam com os olhos postos na passadeira vermelha de "óliude" e uma vontade do tamanho da Oprah para dizer mal!

 

Nesse aspecto é curioso que uma mulher cujo marido nunca a leva além da taprobana marquise na reboleira, por preferir ficar estirado no sofá a coçar a micose em frente a um jogo do "Glorioso", ainda sinta autoridade estética para desfazer as construções de alta costura da Dior ou Lagerfeld que vão desfilando recheados de corpos com "pernas até ao rabo" ou "mamas em ranhura para o cartão multibanco".

 

Todas se atrevem a cortar sem olharem para si ou para as roupas da zara, seaside ou do chinês que têm em casa. Mas ainda bem! Aquilo dás-lhe alma e algumas fazem-no com muita graça. Chego ainda a pensar que a qualidade da viperinagem é proporcional aos teores em progesterona - o que explica alguma da qualidade que também reconheço nalguns gays que gostam de comentar estas coisas -, ou seja, quanto mais viperina, mais balzaquiana fica a mulher. Eu próprio, ao fazer este post, acho que ganhei alguns tiques. Mas já me passa...

 

A viperinagem é pois, uma característica feminina e que serve muito bem como creme anti-rugas a algumas. E outra coisa é também certa: já vi croquetes melhor embrulhados que a Nicole Kidman na noite dos óscares. Por isso, continuem..