Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

República do Caústico

Pelo reino de David (3)

13.02.11, João Maria Condeixa

(Santo Sepulcro, Igreja do Santo Sepulcro, Jerusalém, Israel)

[post anterior]

Continuo viagem por entre o cardume de pessoas que segue em contra-mão. Perco-me com os diferentes cheiros, cores e credos que compõem Jerusalém. Mais tarde, já dentro da Igreja do Santo Sepulcro, quando toco a marca que se diz ser o "Centro da Terra", tudo se torna lógico: a Terra gravita sobre o seu centro e quanto mais próximo estamos desse ponto magnético, mais densa se torna a nuvem destes electrões humanos. Todos diferentes, todos numa imensa azáfama e hipercarregados de energia.

E é toda essa actividade que quase apaga o impacto religioso da cidade velha. Percorro a Via Sacra sem falhas e por ordem, cruzando-me com multidões de japoneses a tirarem fotos e a carregarem cruzes de fantochada; entro, por instantes, no Santo Sepulcro depois de ter estado 3 horas numa fila que se empurrava, acotevelava e vilipendiava a cada segundo; subo ao Monte do Calvário, controlado por uns brutos monges gregos ortodoxos, para ver de fugida o local onde Cristo foi cruxificado; e desvio-me de visitas guiadas à entrada dos jardins onde terá sido a última ceia. Tudo fica à distância de uma centena de passos e raros, muito raros, são os momentos em que nos sentimos sozinhos. Os fiéis matam qualquer experiência de fé que se queira ter, já que com tamanho frenezim a introspecção se torna impossível e apenas se sacia a fome de curiosidade. A de espírito remete-se para mais tarde, já no regresso a casa.

 

(continua...)