Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

República do Caústico

Venha a RTP Memória

01.02.11, João Maria Condeixa

Pelo reino de David (2)

01.02.11, João Maria Condeixa

[post anterior]

(Damascus Gate, Jerusalem)

A chegada a Jerusalém faz-se de mapa na mão, bem junto aos olhos, tentando perceber por qual dos quatro quarteirões da cidade velha vamos entrar. As hipóteses estão definidas, explicitamente divididas e bem claras: Arménio, Cristão, Judeu e Muçulmano. A sorte e predisposição para estas coisas leva-me ao mais complicado, estranho e movimentado: entrar em Jerusalém pelo quarteirão Muçulmano atravessando a Porta de Damasco. É um mar de gente ao berros em árabe e hebraico. É um jogo do empurra entre peles morenas de barba negra e perspontanda e peles brancas de penugem aloirada ou grisalha que vão tentando andar. A minha mochila pesa 20 kgs, tem o volume no limite e é dia de mercado. O calor aperta e entalado entre tanta gente que me grita aos ouvidos sinto-me a "começar bem". No chão, escapando por pouco a esta manada de humanos, vendem-se bolos secos, toranjas, laranjas, romãs, azeitonas e um mar de outros produtos que por cá a ASAE faz refém. A rua que se segue é ingreme e com tanta gente e pisada durante tantos e tantos anos é normal que seja de lage bem polida.

 

Estou onde tudo começou. Estou na Terra Santa, na cidade santa e quase tudo o que agora vi seria inconcebível para um jornal ocidental. Ali, nesta rua do Quarteirão Muçulmano, cruzam-se de olhos nos olhos, judeus com árabes, cristãos-ortodoxos com judeus ortodoxos e por entre si mulheres tapadas, destapadas, ocidentais, muçulmanas, e uma imensidão de outros povos apenas de visita. Todos negoceiam entre si e, embora berrem, todos se confrontam sem nunca se hostilizarem. Eu mudei a lente à máquina e com uma 300mm fui tirando fotografias. Em 30 metros percorridos, devo ter tirado uma centena de fotografias e que agora não consigo aqui postar. Não é grave, pois não ficamos por aqui...

 

(continua...)