Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

República do Caústico

Não é a apologia do político, mas...

03.09.10, João Maria Condeixa

Andando pela rua apercebemo-nos que, na generalidade, as pessoas têm sérias dificuldades em condenar os arguidos do processo Casa Pia, à excepção de "Bibi". Falta-lhes um político. Os políticos são muito mais fáceis de condenar com veemência! (E não, não estou a escrever uma indirecta por causa de Paulo Pedroso). Estes senhores, alguns desconhecidos do público e outros eternos companheiros de serões televisivos, são muito, mas muito mais difíceis de radiografar. O povo não lhes consegue traçar o perfil para lá da empatia que outrora com eles estabeleceu e, por isso, dificilmente, concordará com a condenação que a justiça lhes atribuiu. Vai portanto desconfiar da justiça ou morrer na dúvida..

 

Ao político não. Seja ele testemunha, constituído arguido, ilibado ou condenado, o povo "tira-lhe a pinta". E desconfia sempre, caso "o poderoso" se safe. A justiça, nestes casos, muito raramente se cumpriu.

 

Em casos como o de hoje, ao povo "custa-lhe a crer". Naqueles em que envolve um político a decisão do tribunal só pode ser uma: culpado.

 

E a este julgamento público ninguém foge.