Sábado, 27 de Março de 2010

 

Pedro Passos Coelho lá ganhou e os próximos dias serão pródigos em posts sobre o tema. Enquanto não me debruço sobre o futuro do PSD e as suas implicações, opto pelo balanço destes dois últimos anos de Manuela Ferreira Leite que à frente do partido laranja chegou com o estatuto tatcheriano de ser uma dama de ferro para rapidamente o perder para um silêncio dos não inocentes. E se no princípio esse silêncio fazia sentido e perspectivava um estudo detalhado e debate profundo sobre as matérias, a longa espera fez com que se criasse um ruído ensurdecedor, não por MFL, mas pelo desespero de quem queria mais e exigia mais da líder de oposição. Foi então hora de soltar o que lhe ia na alma. E zás, num segundo se percebeu que MFL era Sol de pouca dura.

 

De gafe em gafe foi dando espaço a que vozes dentro do partido se organizassem para traçar um novo líder, lançando sobre si um "c.q.d." quanto à teoria de que estaria apenas de passagem. Sai da liderança sem deixar saudades, embora num único rasgo de sorte e honestidade tenha conquistado para si a reserva moral de detentora da razão. Traçou, como há uns dias o disse, o prognóstico correcto sobre o estado do país. Não "enganou o país" como José Sócrates e "por isso perdeu".

 

Eu acho que perdeu por mais, por bem mais, mas tiro-lhe o chapéu quanto a este aspecto.

No entanto, há que explicar porque perdeu. Primeiro, porque vinha já fragilizada para a luta e por muito certeiro que fosse o prognóstico, não seria suficiente para sobreviver. Mas perdeu, sobretudo, porque não sobe traçar a cura para o seu prognóstico. Nem por uma vez soube explicar como sairia deste cenário e poucas foram as vezes que ousou ser alternativa. Por outras palavras, nunca propôs a cura. E de que serve termos um Dr. House se ele depois não souber prescrever as doses de epinefrina que na dita série resuscitam pacientes?

 

Só por isso perdeu e só por isso se sentiu ultrapassada por Paulo Portas. Portas assumiu o papel de líder de oposição, não por berrar mais alto, ou por falar mais que MFL. Ultrapassou-a porque construiu uma alternativa ao PS e apresentou projectos que viriam a ser adoptados pela sua pertinência. Portas diagnosticou e vai propondo o remédio. Só por isso cresceu. E MFL vai ficar com o ónus de quem permitiu que isso acontecesse.


publicado por João Maria Condeixa às 21:29
link do post | Please be gentle

Real Constituição da República do Cáustico
Leia atentamente este folheto antes de tomar a constituição como sua.
Caso tenha dúvidas, consulte o seu médico, farmacêutico ou constitucionalista de família.
Em caso de emergência:
jcondeixa@hotmail.com
Posts recentes

Pulling the plug and full...

OE2012: do corte na despe...

Curto rescaldo da Madeira

Na Madeira

O fetiche do voto do betã...

A 18 cêntimos a acção (3)

A 18 cêntimos a acção (2)

A 18 cêntimos a acção

Em entrevista comparada

Alguém me explica este li...

Últimos comentários
Hmmm é pena que o blog tenha acabado :(
quanto mais a deleora só isto era um poste da edp ...
Cambada de antropomorfistas d'electrõesJá agora eu...
Durante uns bons anos - 5 pelo menos - tb fui ague...
Eutanasiar um blogue...eu sei o que custa manter u...
entrapolítico privado num tem né?Mas se todo o hom...
Oi muito thanx! amei re-ler essa publicação é engr...
é que não apanham pó....a desvantagem é que desapa...
mais comentados
Diário da República
2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


Temas

todas as tags

subscrever feeds