Quarta-feira, 20 de Janeiro de 2010
por João Maria Condeixa, em 20/1/10

Pedro Lomba escreveu este artigo, rico no detalhe (ok, até pode ter esquecido outros exemplos) e na análise e sem medo de dogmas. Mas houve quem o acusasse de não ser um puritano da coisa. Vai daí, lança-se, e bem, a Isabel Moreira com uma resposta que me espantou pela nudez de facções (fosse ela assim noutros assuntos) e pela honestidade intelectual com que o fez.

 

Mas o subjacente, e que Pedro Lomba só levantou o véu, ficou ainda por discutir. O ciclo vicioso, a pescadinha de rabo na boca, que impera nas democracias e nos partidos políticos, da esquerda à direita é este: para conquistar um partido, e se for bafejado pela sorte e a arte, eventualmente, um país, há que começar por baixo, pela conquista de um clã. Mais tarde esse clã alarga-se às bases e com elas conquistadas, e movendo-se nas esferas dos baronatos ou das dinastias (e não falo só do PSD) talvez se chegue à presidência de um partido. Ora, quem lá chega não tem de ser necessariamente mau apenas porque não cheirou a sociedade civil, fora das escolas político-partidárias. Mas é pena, também a meu ver, que não tenha recolhido outras experiências. Mas sejamos honestos, nos dias que correm, onde a pressão e concorrência no mercado de trabalho é imensa, onde a ambição legítima de vingar não dispensa espaço para muitos mais, é expectável que haja tempo e dedicação suficiente para conquistar todo o mundo a montante antes de chegar a presidente de um partido enquanto se trabalha cá fora? Sim, há exemplos dignos desse esforço, dir-me-ão, mas caminhamos para que sejam a moda?


publicado por João Maria Condeixa às 23:38
link do post | Please be gentle

Real Constituição da República do Cáustico
Leia atentamente este folheto antes de tomar a constituição como sua.
Caso tenha dúvidas, consulte o seu médico, farmacêutico ou constitucionalista de família.
Em caso de emergência:
jcondeixa@hotmail.com
Posts recentes

Pulling the plug and full...

OE2012: do corte na despe...

Curto rescaldo da Madeira

Na Madeira

O fetiche do voto do betã...

A 18 cêntimos a acção (3)

A 18 cêntimos a acção (2)

A 18 cêntimos a acção

Em entrevista comparada

Alguém me explica este li...

Últimos comentários
Hmmm é pena que o blog tenha acabado :(
quanto mais a deleora só isto era um poste da edp ...
Cambada de antropomorfistas d'electrõesJá agora eu...
Durante uns bons anos - 5 pelo menos - tb fui ague...
Eutanasiar um blogue...eu sei o que custa manter u...
entrapolítico privado num tem né?Mas se todo o hom...
Oi muito thanx! amei re-ler essa publicação é engr...
é que não apanham pó....a desvantagem é que desapa...
mais comentados
Diário da República
2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


Temas

todas as tags

subscrever feeds