Segunda-feira, 8 de Fevereiro de 2010
por João Maria Condeixa, em 8/2/10

 

Bloco 10 (II)

Ainda com a imagem daqueles prisioneiros que, numa espécie de canibalismo imposto, a tiritar de frio se enrolavam nos amigos ou familiares, dirijo-me a outra sala e afasto-me daquela rebuscada dança macabra.

Mas na sala onde entro o choque recebe-nos à porta. Do lado diametralmente oposto fitam-me milhares de crianças a serem descarregadas dos vagões numa imensa fotografia a preto e branco que acaba apenas porque a parede assim o impôs. A olharem com desespero para a sua passividade infantil vemos as respectivas mães tentando, num berro que agora não se ouve, libertá-las da fábrica da morte.

Esta é a sala a que normalmente chamaríamos "sala dos brinquedos", não fosse a restante envolvente. É ali que estão as crianças pequenas, os bebés, as bonecas, as rocas e outros objectos que são familiares a qualquer credo que ali entre. Mas, nunca, numa sala onde se respira a tenra idade, me tinha dado para chorar.A imagem é demasiado forte e faz mal!

Uma das bonecas de cerâmica de olhos azuis e faces rosadas exposta na mesa de vitrine tem a cabeça desfeita em 4 pedaços. Olha para nós, mas tudo o que consegui ver foi os olhos da criança que para lá a terá levado. Ao seu lado, uns sapatinhos que normalmente agarramos com a delicadeza de dois dedos e que por aquelas paragens terão sido severamente maltratados.Ali quase tudo é em formato pequeno. Até a nossa própria alma. Grande, só a imensa bola que me cresceu no estômago e que, de composição desconhecida, me faz emprenhar de ansiedade sempre que à sala volto.

Pelas paredes, ao nível dos olhos, casaquinhos de lã amarelados pelos anos, contrastam com as fotografias que estão expostas mais acima de rapazes e raparigas que, de pijamas às riscas negras e brancas, espelham o quão insuportável também foi a vida naquelas idades. Em salas destas, cheias de crianças, vêem-se sorrisos. Ali nem um. O meu que me costuma acompanhar por todo o lado ficara lá fora ao portão.

(continua)

 


publicado por João Maria Condeixa às 18:00
link do post | Please be gentle

1 comentário:
De Henrique Pires a 8 de Fevereiro de 2010 às 18:24
:(


Comentar post

Real Constituição da República do Cáustico
Leia atentamente este folheto antes de tomar a constituição como sua.
Caso tenha dúvidas, consulte o seu médico, farmacêutico ou constitucionalista de família.
Em caso de emergência:
jcondeixa@hotmail.com
Posts recentes

Pulling the plug and full...

OE2012: do corte na despe...

Curto rescaldo da Madeira

Na Madeira

O fetiche do voto do betã...

A 18 cêntimos a acção (3)

A 18 cêntimos a acção (2)

A 18 cêntimos a acção

Em entrevista comparada

Alguém me explica este li...

Últimos comentários
Hmmm é pena que o blog tenha acabado :(
quanto mais a deleora só isto era um poste da edp ...
Cambada de antropomorfistas d'electrõesJá agora eu...
Durante uns bons anos - 5 pelo menos - tb fui ague...
Eutanasiar um blogue...eu sei o que custa manter u...
entrapolítico privado num tem né?Mas se todo o hom...
Oi muito thanx! amei re-ler essa publicação é engr...
é que não apanham pó....a desvantagem é que desapa...
mais comentados
Diário da República
2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


Temas

todas as tags

subscrever feeds